• freifranklinofm

São Francisco e a pobreza

É impossível falar da história de São Francisco sem fazer referência à pobreza. A pobreza está no coração do movimento franciscano. E o que mais encanta, atrai e fascina as pessoas é que Francisco não nasceu pobre, mas se fez pobre.

Francisco, por diversas circunstancias, entre elas, ter ido para a guerra, ter sido preso e também pela fragilidade da sua saúde; acabou chegando ao limite da sua condição humana. E ao chegar nesse limite tornou-se sensível para vida e para Deus.Abriu-se para algo que até então não havia percebido.

No centro da conversão de Francisco esta o evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Francisco passa a enxergar o evangelho com outros olhos. O cristo que antes era apenas Jesus, agora é Jesus Cristo POBRE, HUMILDE E CRUCIFICADO. E este agora fala com Francisco não só pela palavra, a Bíblia, ou pela boca dos pregadores, mas começa a manifestar-se através de toda a criação e especialmente nos mais pobres e humildes. Francisco intui que Deus, mesmo na sua grandeza, se fez pobre, pequeno, e percorreu todo um caminho até doar-se humildemente como pobre na cruz. A partir desta percepção, é que Francisco começa a trilhar o seu árduo caminho de conversão para a pobreza.

Podemos entender a pobreza franciscana a partir de dois fatos da vida de Francisco. O primeiro quando ele, em praça pública, fica nu diante de todos devolvendo tudo para o seu pai e declarando-se na presença do bispo inteiramente livre nos braços do grande PAI. Coloca-se totalmente nos braços de Deus despojando-se de todos os bens paternos que tinha direito. Desfazer-se de bens, viver com o mínimo, não ter nada em seu próprio nome; a partir desta ótica a pobreza franciscana pode ser considerada apenas o NÃO TER.

Mas a pobreza Francisca ultrapassa o apenas não ter. E aí podemos lembrar o encontro de Francisco com o leproso. Francisco encontra o leproso, o olha, desce do cavalo, aproxima-se dele e o abraça. Nessa ótica a pobreza Franciscana exige de nós a atitude do “fazer-se igual ao outro”, aqui no caso, fazer-se igual aos mais necessitados, colocar-se em pé de igualdade com eles, acolhê-los e especialmente caminhar junto deles. Comungar da mesma sorte e da mesma luta, sonhos, anseios e desejos. Não apenas como um ideal ou por simples caridade. Mas porque o outro tem a mesma dignidade e direito de filho de Deus como eu. Somos iguais.

Fica aí o desafio para nós seguidores de Francisco: Realizarmos o mesmo caminho de conversão do Santo de Assis em direção aos pobres do nosso tempo, caminho este que nos exige força de vontade, mudança de valores e especialmente muito amor, tendo sempre o evangelho como orientação. Paz e Bem!


Frei Franklin Freitas OFM

0 visualização

CONTATO

Secretaria Provincial

SAV - Serviço de Animação Vocacional

LINKS

Comunicação

Facebook

© 2019 Todos os direitos reservados - Província Franciscana de São Francisco de Assis no Brasil

logo_easy_branco.png